O pão da vida,exegese: Parábola Multiplicação dos pães!

O pão da vida!

10 Disse Jesus: “Mandem o povo assentar-se”. Havia muita grama naquele lugar, e todos se assentaram. Eram cerca de cinco mil homens. 11 Então Jesus tomou os pães, deu graças e os repartiu entre os que estavam assentados, tanto quanto queriam; e fez o mesmo com os peixes.

João 6

O Pão: Alimento corporal 

O pão é como alimento básico não só na cultura portuguesa, mas também nas culturas do mediterrâneo, do norte de África e do médio oriente.

Adquiriu ao longo dos tempos um caráter muito simbólico.

Também noutras culturas encontramos alimentos básicos, equivalentes ao pão, que foram adquirindo uma determinada simbologia.

Na cultura judaica, a simbologia do pão atinge um nível espiritual profundo, O pão da vida!.

Tendo-se tornado símbolo de comunhão com o divino, o próprio Jesus adota-o para se tornar presente na Santa Ceia .

multiplicação

Portanto, é neste duplo sentido que este capítulo se organiza e se orienta até à total confluência do pão com a Palavra.

Não é somente do pão, que alimenta o corpo, que a nossa existência depende, mas também do O pão da vida! que alimenta o espírito, Palavra de Deus, encarnada no seio da humanidade.

O pão da vida! que alimenta o espírito, Palavra de Deus, encarnada no seio da humanidade.

Aliás, esse é o Pão que dá sentido e finalidade à vida e que oferece resposta para a vocação transcendente do ser humano: “Nem só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que vem da boca de Deus” (Mt 4,4).

A simbologia judaico-cristã do pão no Antigo e Novo Testamento!

Originalmente, o pão era feito a partir de cevada, feijão, lentilhas e outros produtos.

Só mais tarde, é que o pão de trigo, mais fino que o pão de cevada, começou a fazer parte da mesa da classe mais rica da Palestina, uma região historicamente pobres.

Apesar das duras condições de vida daquele tempo, o pão era, muitas vezes, o único alimento que se comia.

Por isso, o termo “pão” também representa o alimento, o sustento.

A oração do pai-nosso evidencia bem esta noção, ao resumir no “pão-nosso” todos os alimentos necessários para a sobrevivência humana.

Do mesmo modo, a expressão «pão em abundância» (Lc 15,17)
referida na parábola do Filho Pródigo, também deve ser lida com este sentido.

Mas o termo “pão” não designa, apenas, o alimento do quotidiano para o corpo, uma fonte de força (Sl 104,14-15).

Mas sobretudo o alimento para a vida espiritual. O pão é símbolo de todos os bens que são dádiva de Deus, da sua Aliança com a humanidade, da sua Palavra feita carne em Jesus Cristo (Jo 1,14),

O Pão da vida (João 6,22-58), é símbolo da Santa Ceia.

Analise Final do Texto!

Na narrativa dos evangelhos sinóticos, os discípulos são apresentados
de maneira abrangente, sem ser nomeados.

Entretanto, em João, conhecemos figuras como Filipe, André, irmão de Simão Pedro, e ainda certo menino não identificado.
O desenvolvimento da narrativa ocorre:

em função de uma figura central, protagonista qualificado que por esta condição se destaca das restantes figuras que povoam a história.

Esta e as categorias que a estruturam são, pois, organizadas em função do herói, cuja intervenção na ação, posicionamento no espaço e conexões com o tempo […]

Contribuem para revelar sua centralidade indiscutível.

O espaço que ambienta o milagre dos pães e peixes localiza-se no território
de Betsaida.

A narrativa de Lucas descreve-o como sendo um “lugar deserto” e Marcos localiza “aldeias e campos ao redor”.

Além de haver lá suficiente “grama verde” para mais de cinco mil pessoas se reclinarem.

Filipe era de Betsaida, por isso Jesus pergunta a ele onde encontrariam pães para alimentar a multidão.

De maneira didática, Jesus usa o espaço ermo do deserto para desafiar os discípulos a que provejam refeição suficiente para todos.

Existem passagens bíblicas  complicadas de entender e é de extra importância um bom estudioso saber desvendá-las!

manual bíblico
mude agora sua maneira de interpreta textos!

Esse espaço é crucial na narrativa.

Porque é ele que evoca nos discípulos o
sentimento de insegurança.

Decorrente de se encontrarem isolados da cidade e diante de uma multidão faminta e carente.

Resumo Final:

É Jesus que nos dá o alimento da vida, o pão assim descrito nessa exegese simplificada é o simbolo mundial da provisão.

Jesus em toda a narrativa desta passagem nos mostra que sem ele ficamos inseguros e com ele temos sempre a provisão!

Você pode gostar...

Deixe seu comentário!